(31) 3332-0875
Blog

Os Desafios dos Processos Seletivos na Modalidade

Os Desafios dos Processos Seletivos na Modalidade Online ou Remoto

 

(*) Marco Antônio Vieira Gomes​

O objetivo de um processo seletivo online ou remoto é a utilização da internet e as tecnologias digitais disponíveis para ter qualidade e transformá-las em um diferencial e vantagem competitiva.

A pandemia funcionou como um grande catalisador e acelerou a aplicação dos processos seletivos na modalidade online em todo o mundo.

Cada Organização tem as suas necessidades específicas no momento da captação de colaboradores/talentos e formação de equipes e, por isso, não se pode generalizar nenhum processo.

Já os candidatos direcionam suas buscas de acordo com seus objetivos e suas necessidades específicas. Existem diversos desafios para todos.

 

1. Desafios para as Organizações

Algumas Organizações já tinham parcialmente ou totalmente o processo seletivo online, mas agora o processo seletivo remoto ganhou força e vem se tornando mais frequente, principalmente no momento que precisamos manter o distanciamento social.

Os objetivos organizacionais são diversos, ou seja, manter a qualidade, agilizar o processo de captação e seleção, ter maior amplitude de alcance, aumentar a variedade de candidatos, reduzir despesas e racionalizar o processo. As possibilidades são amplas e diversas.

Para continuar buscando e contratando pessoas, diversas Organizações começaram a utilizar novas tecnologias. Assim sendo, a Tecnologia da Informação (TI) e suas ferramentas estão sendo utilizadas em larga escala nos diversos processos seletivos online.

Principalmente para contratar em tempos de distanciamento (não isolamento) social, as Organizações passaram a conduzir a maior parte das etapas do processo seletivo de forma virtual/remotamente. Vejamos um modelo do processo a seguir.

É fundamental que a área de Desenvolvimento Humano e Organizacional (DHO) elabore o planejamento de todas as etapas a serem realizadas no processo de Captação de Colaboradores e Formação de Equipes/Times, ou seja, o recrutamento, a seleção, a socialização e o acompanhamento.

O processo deve ser cuidadosamente planejado e estruturado de acordo com a descrição específica do cargo, a cultura organizacional e o perfil dos (as) candidatos (as).

Na captação e especificamente no recrutamento de candidatos (as), a Organização deve utilizar e divulgar a o cargo e a vaga em todas as plataformas digitais, como no próprio site, sites de emprego, portal institucional e nas principais redes sociais (LinkedIn, Facebook, Instagram e YouTube).

Após concluído o recrutamento (divulgação de oportunidades/vagas também realizado online), a primeira etapa na seleção é a triagem de currículos, utilizando ferramentas específicas e que possuem filtros eficientes para encontrar o (a) candidato (a) com o perfil mais adequado para o cargo em destaque. A etapa de triagem de candidatos pode ser realizada com a análise de currículo e da carta de apresentação.

A análise e avaliação dos perfis dos (as) candidatos (as) tem como importante aliada as redes sociais que se tornaram uma vitrine, onde as Organizações fazem o acompanhamento do comportamento dos possíveis candidatos e otimiza o tempo e a duração da etapa de seleção.

Aqui também pode ter uma complementação com a solicitação, por e-mail ou outra ferramenta, focando em novas perguntas sobre projetos, trabalhos já realizados, experiências profissionais ou pessoais, dentre outras, de acordo com a necessidade organizacional.

Após a etapa de triagem de currículo, vem a segunda etapa que é a aplicação de teste online. A ideia da Organização é verificar e conferir o conhecimento técnico indispensável para o cargo ou verificar o raciocínio lógico ou a habilidade em algum idioma.

Ressaltamos que a aplicação de testes online é um importante recurso para verificar as competências. Alguns testes que podemos aplicar online são: mapeamento do perfil comportamental; testes de conhecimento específicos e testes psicológicos.

Depois vem a próxima etapa e a ideia é aprofundar e identificar o perfil e as habilidades interpessoais (soft skills) dos (as) candidatos (as), para direcionar melhor o processo seletivo.

Nesta etapa pode ser utilizado e aplicado teste de perfil comportamental com o uso de programas e softwares online. Os testes mapeiam o comportamento dos (as) candidatos (as) e geram relatórios interessantes sobre as características pessoais e profissionais dos (as) candidatos (as).

Algumas Organizações também costumam aplicar os chamados testes de personalidade, que é um questionário online em que o (a) candidato (a) passa de 30 a 40 minutos apontando as alternativas de sua preferência.

Ao utilizar esse tipo de diagnóstico e avaliação a Organização procura entender se o tipo de comportamento do (a) candidato (a) combina com a Organização e o cargo em questão, a chamada adequação cultural (fit cultural).

Logo após é agendada a quarta etapa que é uma entrevista por videoconferência utilizando as diversas plataformas disponíveis no mercado.

Finalmente a última etapa, ou seja, a entrevista final (pode ser online ou presencial) com o líder da área para validar e definir o (a) candidato (a) selecionado (a) para o cargo. É a tomada de decisão final.

Fundamental para as Organizações é que o processo seja conduzido por profissionais preparados e com tecnologia adequada. Valorizar e respeitar todos os (as) candidatos (as), inclusive não esquecendo do feedback final sobre a participação do (a) candidato (a) no processo seletivo.

Aspecto importante é a criação de um banco de talentos utilizando os meios digitais. Utilizar tecnologia e ferramentas adequadas para automatizar, otimizar e tornar eficaz o processo de captação de pessoas e formação de equipes.

Importante também é contar com um bom suporte de TI para ajudar a resolver questões técnicas.

A utilização das redes sociais pela área de DHO deve fazer parte da Gestão Estratégica da Organização. Bem vindo ao mundo digital!

 

2. Desafios para os (as) candidatos (as)

Atualmente e provavelmente, a maioria dos (as) candidatos (as) conhece ou já participou de processos seletivos online ou remotos.

Para os (as) candidatos (as) as etapas iniciais – de preenchimento de currículo e inscrição online – mudaram pouco nos processos seletivos. Já era habitual que a triagem de currículos fosse realizada por ferramentas utilizada pelas Organizações nos processos seletivos. O sistema oferece diversos filtros eficientes para o selecionador encontrar o (a) candidato (a) que está procurando.

A grande diferença é que, atualmente, as vagas estão mais disputadas do que eram antes, ou seja, há menos ofertas e mais candidatos (as) disputando a mesma oportunidade. É importante preencher as informações com cuidado e verificar se o currículo está bem estruturado para chamar a atenção do selecionador positivamente.

É importante também ressaltar a criação e utilização do “vídeo currículo” pelos candidatos, ou seja, um vídeo curto (duração máxima de 2 minutos) com os destaques do seu perfil pessoal e profissional.

Quando o (a) candidato (a) for convidado (a) para uma entrevista de emprego por vídeo é preciso tomar alguns cuidados com antecedência para que tudo corra bem na hora da conversa com o entrevistador. Procure antes pesquisar e conhecer bem a Organização.

Fator importante é selecionar o local da casa mais adequado. O ideal é que ele seja bem iluminado e o mais silencioso possível.

Uma conexão boa com à internet e um bom aparelho (celular, notebook ou tablet) também são fundamentais para que a comunicação possa fluir. Faça alguns testes antes da hora marcada para buscar alternativas, se for preciso. Invista na tecnologia.

O (a) candidato (a) pode descobrir, por exemplo, que o wifi pega melhor em determinado local da sala ou que o celular de outra pessoa da casa está funcionando melhor (se for possível, pegue emprestado).

Caso o (a) candidato (a) perceba que não tem o equipamento e a conexão à internet necessários para fazer a entrevista por vídeo funcionar, pode solicitar à Organização se a conversa poderia ocorrer por telefone. Muitas oferecem essa alternativa.

Aspecto também importante, quando a entrevista é por vídeo, é a forma como o (a) candidato (a) vai se vestir e se portar durante a conversa. Lembre-se de se vestir adequadamente, como se estivesse participando de uma entrevista presencial. Muito cuidado também com a linguagem e a gramática. Valorize sempre a sua postura e o seu comportamento.

Formalidades, como roupas mais clássicas, podem ser dispensadas neste momento, mas se a seleção for para uma Organização em que o código de roupa (dress code) é formal, uma roupa social vai bem.

Atualmente a busca por um emprego na era do ‘home office’ cresceu muito. E veio para ficar.

Organizações se adaptaram para a realização do recrutamento, seleção e contratações remotas em meio à pandemia. Então a dica para o (a) candidato (a) é investir em tecnologia e testar a internet e se portar de forma profissional mesmo em casa.

Essencial para o (a) candidato (a) é sempre investir na sua preparação e qualificação profissional e elevar o seu índice de trabalhabilidade (se preparar para o trabalho e não apenas para o emprego).

A utilização das redes sociais deve estar incorporada ao seu dia a dia!

Bem vindo ao mundo digital!

Sucesso para todos!

(*) Consultor Organizacional e Educacional, Professor Universitário.